A BVRio é a parceira executora do Estado de Rondônia neste projeto. Após a conclusão da primeira fase, realizada entre 2018 e 2020, iniciamos em 2022 uma segunda fase para desenvolver agendas públicas e instrumentos participativos para a governança climática do Estado.

Março, 2022 Fevereiro, 2023

Financiamento

  • Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF TF)

Parcerias

  • Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)
  • Fundação Amazônia Sustentável (FAS)

Sobre o projeto

O projeto é apoiado pelo Fundo da Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF TF) , gerido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), e tem como objetivo atender aos principais requerimentos para a elegibilidade dos Estados da Amazônia Legal para acessar o Padrão ART/TREES. A meta é reconhecer as diferentes abordagens jurisdicionais e reduzir as emissões efetivas alinhadas com acordos bilaterais, domésticos e com o artigo 6º do Acordo de Paris. Dessa forma, o projeto desenvolverá rotas efetivas de financiamento via REDD+ com o objetivo de reduzir emissões no curto prazo e buscar caminhos para baixar as emissões no médio e longo prazos.

O projeto tem como escopo geográfico os nove estados da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), cada um designando um parceiro institucional.

Na primeira fase, o projeto gerou impactos positivos significativos, tendo contribuído para a implementação a longo-prazo de instrumentos estruturantes da REDD+, atração de novos investimentos e mobilização de diferentes segmentos da sociedade para a agenda REDD+ no estado de Rondônia.

Entre os principais resultados obtidos na primeira fase de financiamento, chamada Janela A, o projetou propôs a implementação da Política Estadual de Governança Climática e Serviços Ambientais (PGSA) e respectivos instrumentos estruturantes. No mais, a primeira fase identificou potenciais fluxos financeiros para a implementação da estratégia de REDD+ no estado, além de criar e implementar a plataforma AmazoniAtiva, que deu visibilidade à bioeconomia no Estado e trouxe investidores.

Merece menção a importância gerada pela mobilização e engajamento de diversos setores no processo de governança climática, que trouxe repercussões para a inclusão de questões de gênero, superação de obstáculos de ordem cultural (indígenas e extrativistas), bem como foco na Juventude, enfrentando o desafio de atraí-la às discussões.

No aspecto das salvaguardas, ainda que o processo de consulta tenha sido sucinto, sua importância foi considerada na implementação da Política Estadual de Mudanças Climáticas (PEMC) no estado, considerou-se a complexidade do tema para os os potenciais beneficiários.

Impacto da Primeira Fase

Políticas

Apresentação e aprovação da Política Estadual de Governança Climática e Serviços Ambientais - Lei 4437/2018

Plano Estratégico Jurisdicional

Preparação e Aprovação do Plano Estratégico Jurisdicional para REDD+ desenvolvido e formalizado

Plataforma comercial

Oferta de produtos e ativos sustentáveis na plataforma online de comercialização AmazoniaAtiva

Capacitação

Capacitação de 150 pessoas membros de organizações da sociedade civil, 38% de participação de mulheres.

Entre em contato com a nossa equipe

Beto Mesquita

Diretor de Florestas e Políticas Públicas (Brasil)

Pedro Miguel

Gerente de Projetos Florestais e Bioeconomia (Brasil)

Renato Castro Santos

Gerente Comercial - Projeto SIMFlor (Brasil)

Marcia Silveira

Gerente Administrativa-Financeira (Brasil)